Minhas férias em Recife

Finalmente 2017, pessoal!

Não sei como foi o ano passado para vocês, mas por aqui a coisa andou bem tensa. Muito trabalho, pouco retorno financeiro, inseguranças pessoais, rupturas de relacionamento… foram tantas mudanças que quase nem reconhecia minha vida. Era como se fosse a história de outra pessoa, rs.

Porém o relógio andou e o ano virou trazendo novas possibilidades (estranho falar isso no final de janeiro) para nós, não é mesmo? Aqui não só tivemos novidades, como apareceu uma linda viagem para descansar a beleza desta pessoa que vos escreve. Resolvi tirar férias em Recife e vou contar para vocês, bora lá?

Destino: RECIFE

praia_boa_viagem-450x298Antes de decidirmos o destino, fizemos uma busca das praias que possuíam acessibilidade para cadeirantes. Descobrimos que em Recife havia um projeto chamado “Praia sem Barreiras” – parceria do governo do estado, prefeitura e Universidade Maurício de Nassau (Uninassau) – que oferece cadeiras anfíbias para podermos desfrutar um pouco do mar na praia de Boa Viagem, considerada uma das melhores na região. Compramos um pacote de viagem pela Decolar, porém tivemos alguns contratempos, precisamos cancelar parte da compra e comprar a estadia no hotel com uma amiga agente de viagens.

Como não era a primeira vez que viajava de avião, fiquei bem ansiosa com o voo devido transtornos causados pela Gol durante o despache da cadeira de rodas. Desta vez viajamos pela Latam e para minha surpresa o procedimento deles foi menos traumatizante. Apenas um pequeno susto na ida, uma das baterias vazou um pouco porque a caixa de segurança virou durante o vôo. Entretanto a equipe se colocou a disposição para arrumar ou ressarcir se fosse necessário. Por sua vez, na volta, não tivemos problema algum.

É importante reforçar que toda pessoa com deficiência tem direito a um desconto na passagem de avião para o acompanhante, dessa vez eu deixei passar, mas não deixem de pedir caso façam uma viagem. Os procedimentos vocês encontram aqui.

O Hotel

É muito difícil encontrar um lugar com adaptações que atendam bem as necessidades de todos cadeirantes, por esse motivo é recomendável entrar em contato com o hotel e solicitar imagens para evitar surpresas desagradáveis. Quando pesquisamos o hotel levamos em consideração sua localização (o ideal era próximo à praia), a adaptação dos quartos e banheiros e piscina (afinal queríamos curtir tudo que a vida nos dá né nom?) como critérios de escolha. O Best Western Manibu tinha todos estes três fatores, mas o diferencial deles foi o banheiro.

Era bem espaçoso, com uma tampa de vaso normal (não aquela com abertura frontal) e barras de apoio próximas ao vaso e no chuveiro. Seria perfeito, não fosse a altura da pia. Infelizmente pecaram muito nesta parte. Cheguei a solicitar imagens do banheiro, mas não dava para ver direito se a pia era alta. Durante a estadia precisei usar uma almofada para dar altura. Para o banho, solicitei uma cadeira, para mim resolveu bem. Eles tem chuveiro de mão com dois registros de água para regular a temperatura, além do chuveiro no alto. Achei muito bom porque facilita na hora do banho (tenho pavor de tomar banho sem “chuveirinho”, dá uma sensação de não me lavar direito, rs)

Neste hotel o quarto com adaptação é da categoria luxo, portanto não tínhamos outra opção. No final compensou porque tinha um corredor largo, um espaço bom entre a cama e o guarda roupas que permitia manobrar a cadeira.

As dependências do hotel eram acessíveis com excessão da piscina. Ah! Essa foi uma grande decepção. Fomos para a cobertura, onde ela fica, e nos deparamos com duas escadas de acesso (fotos na galeria abaixo). Ficamos bem chateadas com isso, pois precisamos subir a cadeira para desfrutar do espaço.

A localização do hotel não é ruim. Fica duas ruas de distância da praia, em uma avenida com restaurantes, boate e supermercados. Bem movimentada, por sinal. O ponto negativo ficou para infraestrutura na cidade. As calçadas eram MUITO ruins o que dificultava os passeios noturnos. Ficamos um pouco limitadas para curtir a noite em Recife, pois além do acesso ser ruim, eles não possuem táxis adaptados.

Usamos táxi normal com o porta malas grande para caber a cadeira e ao indagar os taxistas sobre a ausência de transporte adaptado, me disseram (em unanimidade) que não havia demanda para isso. Achei no mínimo curioso, já que a praia é uma das opções para pessoas com deficiência como expus no começo do texto. Alguns quiseram estender o papo para questões políticas, mas naquele momento eu só queria sossego para minha cabeça. Não rendi assunto, como diria minha mãe.

Passeios

O mais legal dessas viagens são os passeios, portanto se pretende ficar uma semana em alguma praia do nordeste trate de reservar uma boa grana para visitar a maior quantidade de praias que puder. É sério! Vale muito a pena.

Nessa viagem fizemos dois passeios. Primeiro fomos para Porto de Galinhas e depois para Maragogi.

Em Porto de Galinhas compramos um passeio de bug que visitava as praias próximas, fazendo um mini circuito, sabe? Neste passeio vimos uma praia chamada Muro Alto que é perfeita para nós. Uma extensão imensa de piscina natural onde podemos ficar dentro d’água boiando, nadando, mergulhando sem medo de ser feliz, rsrs.

O bug foi relativamente tranquilo para mim, fiquei com medo de cair várias vezes, senti as pernas doerem, mas valeu a pena. O motorista, um senhor muito simpático chamado Carlos, teve o cuidado de ir com calma respeitando minha limitação. Além disso, foi um ótimo guia explicando os detalhes de cada praia.

Em Maragogi ficamos em um restaurante com praia privativa. Acho bacana este tipo de espaço, mas às vezes prefiro ficar em quiosques. Além de preços mais acessíveis, temos mais opções de escolha. Tirando isso valeu a pena ver o mar azul de Alagoas e matar saudade da viagem que fiz para Maceió.

Culinária

Se você for um dia a Recife, não deixe de passar no restaurante “Parraxaxá”. Além de ter diversas opções de pratos típicos, eles possuem um espaço bem adaptado para receber pessoas com deficiência. Como sugestão de sobremesa recomendo experimentar a “cartola”, um doce de banana cozida com queijo simplesmente delicioso e único. Em lugar algum você irá encontrar prato igual. Além deste fomos também no restaurante “Ilha Sertaneja”, próximo a feira de Boa Viagem, que além do mal atendimento, forjaram um banheiro acessível de doer o coração. Não recomendo.

Essa viagem era tudo o que precisava para iniciar o ano bem. Renovei minhas energias, me diverti e aproveitei cada minuto como pode. Se você tiver oportunidade faça isso também. Programe-se, organize-se e conheça lugares novos. Saia de casa e permita-se ver um mundo além da janela. Não pense que isto é exclusivo para quem tem grana, atualmente existem muitos pacotes e sites com promoções ideais para o seu bolso. Nada que um cartão de crédito/boleto dividido de 10x não resolva.

Agora é retornar firme e trabalhar bastante (para pagar a viagem)! Espero que tenham gostado da resenha e deixe seu comentário. Conte sua experiência para nós. De repente se tiver alguma dica, compartilhe aí.

Galeria de imagens 

Links

Restaurante Parraxaxá: http://www.parraxaxa.com.br/html/index.php

Hotel Best Western: http://www.hotelmaniburecife.com.br/pt-br/

Anúncios

Gostou do texto? Deixe seu comentário, adoraria saber sua opinião.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s